25 de Julho de 2013


Por manifesta falta de tempo irei colocar o Memory Box em Pausa!
Deixo aqui um agradecimento a todos os que por aqui vão passando e 
passeando nesta caixa de recortes:-)

Ainda não sei quando conseguirei voltar.... 
no entanto, o blogue continuará em modo disponível até ao meu regresso:-)

Votos de um magnífico verão com muitos "recortes" para guardarem 
nos vossos álbuns de memórias e saudades !

28 de Março de 2013

Folar da Páscoa

E com o Domingo de Páscoa a chegar a passos largos fica aqui uma das receitas do 
Folar de Páscoa!





Ingredientes:

800 g de farinha
100 g de margarina
35 g de fermento de padeiro
250 g de açúcar
3 ovos
2 dl de leite morno
sal, canela e erva-doce q.b.
3 ou 4 ovos cozidos para enfeitar o folar



Preparação:

1. Dissolva o fermento num pouco de leite morno e junte alguma farinha.Faça uma bola bem húmida e deixe levedar 20 minutos.
2. Amasse a restante farinha com o açúcar, o leite e os ovos e junte a bola de fermento.Bata bem.Acrescente a manteiga, o sal e as especiarias.
3. Bata até a massa se soltar da tigela.Deixe levedar numa tigela tapada com 1 cobertor, em local protegido e ameno, durante + ou – 3 horas.
4. Faça então uma bola ligeiramente abolachada, onde coloca os ovos previamente cozidos e frios.Com um pouco de massa faça uns cordões que coloca a rodear os ovos.
5.Pincele com gema de ovo, deixe levedar mais 1 pouco e leve a forno quente (200ºC) até ficar bem corado e cozido.
in "http://www.tentacaodosabor.com/receita-de-folar-de-pascoa/"



Simples, com compota ou uma bela fatia de queijo da Serra, o Folar da Páscoa sabe sempre tão bem :-) E não se esqueça de um reconfortante chá para acompanhar :-)


26 de Fevereiro de 2013

As Arcas de Montemor





"Já diziam os antigos que no castelo de Montemor-o-Velho estão enterradas duas arcas, uma cheia de ouro e a outra cheia de peste. A sua origem remonta ao tempo dos Mouros quando era alcaide naquela cidade um viúvo austero que tinha uma única filha, a quem guardava longe dos olhos de todos como se fosse o maior tesouro do mundo. 

Um dia, quando a jovem era já uma mulher, um dos seus fiéis cavaleiros apaixonou-se por ela mas o alcaide nem queria ouvir falar de tal possibilidade. Quando o cavaleiro insistiu, o alcaide resolveu prendê-lo e condenou-o à morte. Quando a jovem soube da tragédia em que involuntariamente estava envolvida, ainda tentou interceder mas o pai permaneceu insensível às suas súplicas. 

A jovem que até então não fazia ideia do grande amor que o cavaleiro lhe dedicava, resolveu visitá-lo em segredo nas masmorras. Este amor devia estar já talhado no livro do destino, pois a jovem logo se apaixonou pelo cavaleiro e ambos fugiram do castelo.


A sua captura foi fácil e quando foram levados perante o irrascível alcaide, este ainda ficou mais furioso quando soube que a sua filha tinha casado com o cavaleiro. Então, por vingança, resolveu dar-lhes uma prenda maldita: duas arcas, uma com ouro e a outra com peste. 

Os jovens que prezavam mais a sua vida e o seu amor que todo o ouro do mundo fugiram do louco alcaide, deixando para trás as duas arcas que nunca ninguém ousou abrir e que ainda hoje estão enterradas nas muralhas do castelo de Montemor-o-Velho."

in http://lendasdeportugal.no.sapo.pt/distritos/coimbra.htm

31 de Janeiro de 2013

Máscaras Venezianas . . .















Pelos meus passeios pela web encontrei algumas fotos com Máscaras Venezianas cuja beleza, riqueza de detalhe e delicadeza do traço me fizeram "parar" para ver com olhos de ver! Este famoso acessório carnavalesco é, muito provavelmente, o acessório  mais belo dos Carnavais.

30 de Novembro de 2012

A Árvore de Natal



Na procura da "história" da tradição da Árvore de Natal para contar aos filhotes, encontrei neste site um breve resumo desta tradição global:-), que tomo a liberdade de transcrever:


"A Árvore de Natal é um pinheiro ou abeto, enfeitado e iluminado, especialmente nas casas particulares, na noite de Natal. A tradição da Árvore de Natal tem raízes muito mais longínquas do que o próprio Natal.

Os romanos enfeitavam árvores em honra de Saturno, deus da agricultura, mais ou menos na mesma época em que hoje preparamos a Árvore de Natal. Os egípcios traziam galhos verdes de palmeiras para dentro de suas casa no dia mais curto do ano (que é em Dezembro), como símbolo de triunfo da vida sobre a morte. Nas culturas célticas, os druídas tinham o costume de decorar velhos carvalhos com maças douradas para festividades também celebradas na mesma época do ano. Segundo a tradição, S. Bonifácio, no século VII, pregava na Turíngia (uma região da Alemanha) e usava o perfil triangular dos abetos com símbolo da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo). Assim, o carvalho, até então considerado como símbolo divino, foi substituído pelo triangular abeto.

A primeira referência a uma “Árvore de Natal” surgiu no século XVI e foi nesta altura que ela se vulgarizou na Europa Central: há notícias de árvores de Natal na Lituânia em 1510. 
Diz-se que foi Lutero (1483-1546), autor da reforma protestante, que após um passeio, pela floresta no Inverno, numa noite de céu limpo e de estrelas brilhantes trouxe essa imagem à família sob a forma de Árvore de Natal, com uma estrela brilhante no topo e decorada com velas, isto porque para ele o céu devia ter estado assim no dia do nascimento do menino Jesus.

O costume começou a enraizar-se. Na Alemanha, as famílias, ricas e pobres, decoravam as suas árvores com frutos, doces e flores de papel (as flores vermelhas representavam o conhecimento e as brancas representavam a inocência). Isto permitiu que surgisse uma indústria de decorações de Natal, em que a Turíngia se especializou.

No início do século XVII, a Grã-Bretanha começou a importar da Alemanha a tradição da Árvore de Natal pelas mãos dos monarcas de Hannover. Contudo a tradição só se consolidou nas Ilhas Britânicas após a publicação pela “Illustrated London News”, de uma imagem da Rainha Vitória e Alberto com os seus filhos, junto à Árvore de Natal no castelo de Windsor, no Natal de 1846.

Esta tradição espalhou-se por toda a Europa e chegou aos EUA aquando da guerra da independência pelas mãos dos soldados alemães. A tradição não se consolidou uniformemente dada a divergência de povos e culturas. Contudo, em 1856, na Casa Branca foi enfeitada com uma árvore de Natal e a tradição mantém-se desde 1923.
Como o uso da árvore de Natal tem origem pagã, este predomina nos países nórdicos e no mundo anglo-saxónico. Nos países católicos, como Portugal, a tradição da árvore de Natal foi surgindo pouco a pouco ao lado dos já tradicionais presépios.

Contudo, em Portugal, a aceitação da Árvore de Natal é recente quando comparada com os restantes países. Assim, entre nós, o presépio foi durante muito tempo a única decoração de Natal.

Até aos anos 50, a Árvore de Natal era até algo mal visto nas cidades e nos campos era pura e simplesmente ignorada. Contudo, hoje em dia, a Árvore de Natal já faz parte da tradição natalícia portuguesa e já todos se renderam aos Pinheirinhos de Natal!"


E como é tradição cá em casa, amanhã, 1 de Dezembro, é o dia de montar a Árvore de Natal e de inaugurar à noite as luzinhas que brilharão até ao Dia de Reis!





9 de Novembro de 2012

Lenda da Caparica




"Há muitos, muitos anos, quando a Caparica era apenas um local ermo, com meia dúzia de casas, apareceu uma criança muito bonita, pobremente vestida que ninguém sabia donde vinha. Um velho da freguesia da Senhora do Monte tomou conta dessa menina que não sabia nada sobre a sua origem, apenas sabia que possuía aquela capa que trazia. 

O velho reparou que a capa, apesar de muito velha, era uma capa de qualidade, provavelmente pertencente a uma família rica ou mesmo nobre. Passaram-se muitos anos até que a menina se tornou numa bela jovem. 

Estando o velho às portas da morte pediu-lhe, como última vontade, que pusesse a sua capa por cima dele para o aquecer naqueles últimos momentos, dizendo à jovem que aquela capa velha era uma capa rica. A jovem fez-lhe a vontade e, quando o velho morreu, juntou o pouco dinheiro que restava para lhe dar uma sepultura digna. 

Passou dias sem comer e noites sem dormir mas tinha a consciência tranquila de ter retribuído tanto em vida como na morte a bondade do velho. A jovem ficou naquele casebre e envelheceu sozinha. O povo, que a achava estranha e lhe chamava bruxa, reparou que ela tinha o ritual de subir ao alto do monte e, num ar de êxtase, rezava a Deus pedindo-lhe que quando morresse o Manto Divino de Nossa Senhora do Monte cobrisse com a Sua benção todos aqueles que naquela localidade A veneravam. Ao terminar aquelas palavras ela pegava na sua capa velha e erguia-a ao céu. 

Este estranho comportamento chegou aos ouvidos do rei que a mandou vir à sua presença, acompanhada da famosa capa que todos diziam ter feitiço. A velha senhora disse ao rei que nada tinha a ver com bruxedos e que o que fazia era apenas rezar a Deus. Comovido, o rei mandou-a embora com uma bolsa de dinheiro e a velha continuou a sua vida solitária até que um dia morreu. 

Junto do corpo da Velha da Capa, que era como o povo a designava, encontraram uma carta dirigida ao rei. A Velha da Capa tinha descoberto na hora da sua morte que a capa era afinal uma capa rica porque tinha encontrado uma verdadeira riqueza escondida no seu forro. Pedia ao rei que utilizasse aquele tesouro para transformar aquela costa numa terra de sonho e maravilha onde houvesse saúde e alegria para todos.

 Reza a lenda que foi assim que surgiu a Costa da Caparica, em homenagem de uma menina de origem desconhecida que tinha como único bem uma capa velha que afinal era uma capa rica."

in http://lendasdeportugal.no.sapo.pt/distritos/setubal.htm

2 de Outubro de 2012

Chocolate

"Chocolate provém do castelhano "chocolate", que, por sua vez, derivou do nauatle 

[língua indígena mexicana] "chocolatl", de "choco" (cacau) + "latl" (água)."




Whoopies à italiana

Receita aqui:-)


Trufas de Chocolate com Pimenta

Receita aqui :-)


Devil's Cake

Receita aqui :-)


Brownie
Receita aqui :-)


Votos de uma doce semana:-))


18 de Setembro de 2012

Mochos e Corujas ... DIY :-)

Mochos e corujinhas são das aves mais populares nos crafts:-) De papel, tecido ou materiais naturais estas aves são um must do  para miúdos e graúdos! 


Indicações para a realização destes mochinhos amorosos aqui :-)


Tutorial para fazer esta almofada está aqui :-)


As indicações para fazer esta coruja fofa estão aqui :-)

Tutorial para fazer estes mochos de pinhas aqui :-)

10 de Setembro de 2012

Lenda de Geraldo Geraldes, o Sem Pavor



"Esta lenda passou-se no ano de 1166, no tempo em que Évora era ainda a Yeborath árabe, para grande desgosto de D. Afonso Henriques que a desejava como ponto estratégico da reconquista de Portugal aos Mouros. 

Geraldo Geraldes, um homem de origem nobre que vivia à margem da lei, era chefe de um bando de proscritos que habitavam num pequeno castelo nos arredores de Yeborath. Conhecido também pelo Sem Pavor, Geraldo Geraldes decidiu conquistar Évora para resgatar a sua honra e o perdão para os seus homens. 

Disfarçado de trovador rondou a cidade e traçou a sua estratégia de ataque à torre principal do castelo que era vigiada por um velho mouro e pela sua filha. Numa noite, o Sem Pavor subiu sozinho à torre e matou os dois mouros, apoderando-se em silêncio da chave das portas da cidade. Mobilizou os seus homens e atacou a cidade adormecida numa noite sem lua que, surpreendida, sucumbiu ao poder cristão. 

No dia seguinte, D. Afonso Henriques recebeu surpreendido a grande novidade e tão feliz ficou que devolveu a Geraldo Geraldes as chaves da cidade, bem como a espada que ganhara, nomeando-o alcaide perpétuo de Évora. 

Ainda hoje, a cidade ostenta no brasão do claustro da Sé, a figura heróica de Geraldo Geraldes e as duas cabeças dos mouros decepadas, para além de lhe dedicar a praça mais emblemática de Évora."


22 de Agosto de 2012

Reciclamos? O Planeta agradece:-)


Com os sacos de pet food podem-se criar bolsas como esta !!! Tutorial aqui:-)



Com as latas de conservas cria-se uma pequena garrafeira de balcão! Tutorial aqui:-)



Dê uso às velhas disquetes:-) Tutorial aqui:-)



Dê um "lift" à decoração, crie acessórios, ajude a sua "carteira" e divirta-se imenso!  
O planeta agradece:-)