20 de julho de 2010

Aos Amigos . . .


"Por ti falo. E ninguém sabe. Mas eu digo
meu irmão, minha amêndoa, meu amigo
meu tropel de ternura, minha casa
meu jardim de carência, minha asa.

 
Por ti morro e ninguém pensa. Mas eu sigo
um caminho de nardos empestados
uma intensa e terrífica ternura
rodeado de cardos por muitíssimos lados.


Meu perfume de tudo, minha essência
meu lume, minha lava, meu labéu
como é possível não chegar ao cume
de tão lavado céu? "

Poema de Ary dos Santos, "Retrato de Amigo" in "Fotosgrafias"

Sem comentários: